Entenda como funciona a permuta de imóveis


Imprimir

Publicado em: 09/01/2018

Diversas formas alternativas de negociação têm se tornado comuns no mercado imobiliário, sendo a permuta uma das mais recorrentes, que tem atraído cada vez mais pessoas pelas boas possibilidades de negócios que oferece.

 

Imagine o seguinte cenário: você tem um apartamento pequeno, mas quer trocá-lo por uma casa maior. O valor que você tem em caixa não é suficiente para a compra de uma casa pronta e vender o apartamento em tempo hábil parece difícil. Nessa situação, é mais fácil oferecer o apartamento como parte do pagamento e conseguir o abatimento no valor que precisa ser pago em capital. Afinal, o vendedor da casa pode estar interessado em liquidar uma parte do valor da casa, mas ter um outro imóvel garantido.

 

Esse tipo de situação é o que se denomina de permuta. Ou seja, uma parte do valor do imóvel não é pago em dinheiro ou crédito, mas com um bem que seja de interesse do vendedor e que entra como uma parcela do preço total. A permuta é uma estratégia de vendas muito utilizada em outras áreas - com a compra e venda de carros, por exemplo - e que tem se tornado muito comum no mercado imobiliário.

 

"Quando se expande a família ou chega a hora de mudar para um imóvel maior, nem sempre é vantajoso para o comprador fazer financiamentos completos ou tentar vender seu imóvel. Da mesma forma, para o vendedor, oferecer a possibilidade de permuta amplia as possibilidades de negociação e pode agilizar o processo de venda. Muitas vezes, ambas as partes conseguem o que precisam em uma única transação", afirma Tarik Faraj, sócio-fundador da TRK Imóveis, empresa do segmento imobiliário com sede em Brasília.

 

Como realizar uma permuta?

 

A primeira coisa que precisa ser definida na permuta é se haverá torna, que é o nome dado ao valor adicional pago para complementar o montante. Isso porque ela é determinante para a tributação da venda: quando não existe torna, o negócio fica isento no imposto de renda. Isso também é uma boa forma de negociação. "muitas vezes, é mais vantajoso aceitar uma permuta sem torna do que exigir esse pagamento e precisar arcar com o pagamento do imposto." Ressalta Tarik Faraj, da TRK Imóveis

 

A escrituração também tem suas peculiaridades. O contrato de permuta de imóveis precisa ser feito na forma de escritura pública, em que são determinadas as condições da transação e as determinações de tributação. Os custos com essa parte burocrática são praticamente os mesmos de qualquer transação imobiliária e devem ser discutidas no ato da compra, para que cada parte esteja ciente de como tudo irá decorrer e de tudo o que ele vai precisar pagar.

 

Vantagens

 

Por conceito, a permuta atende aos interessantes de ambas as partes e ajuda a viabilizar transações que não poderiam acontecer de outra forma. É claro que as condições variam muito de uma situação para outra, mas quando realizada, geralmente, a permuta atende aos objetivos de todos. Quem procura um imóvel particular pode abrir suas possibilidades e encontrar opções muito interessantes, mas quem quer um imóvel para investir também tem um leque de opções à frente.

 

Quando se trata em investimentos de imóveis, a lucratividade muitas vezes se opõe à pouca liquidez dos bens. Um imóvel bastante valorizado, por exemplo, pode ser uma excelente fonte de renda através da sua locação, mas é mais difícil de ser vendido por demandar um alto capital. Além disso, nem sempre se quer liquidar todo o patrimônio, mas uma parte dele. Nesse caso, a troca por um imóvel menor, com uma torna significativa, pode ser a solução perfeita para o investidor que deseja manter a fonte de renda e ainda ter um pouco de capital em mãos.

 

 

Fonte: Info Money